Minha garganta se fechava à medida que eu terminava de morder uma massa adocicada. Os ossos de minha arcada dentária permaneciam estáticos, mas os músculos que os preenchiam comprimiam-se ao ponto de me causar dor. Meu nariz não parecia capaz de puxar ar o suficiente para me manter vivo. Meus olhos lacrimejaram de terror. Continuar lendo “Um lanche matutino”

Anúncios